Violência

A cada 19 horas, uma pessoa é assassinada no Brasil por causa de sua orientação sexual ou identidade de gênero

Representantes da comunidade LGBTI denunciaram, nesta semana, em um debate na Comissão de Direitos Humanos (CDH) que, a cada 19 horas, uma pessoa é assassinada no Brasil por causa de sua orientação sexual ou identidade de gênero. A reunião ocorreu em celebração do Dia Internacional de Enfrentamento à LGBTIfobia, lembrado nesta sexta-feira, 17 de maio.

Tathiane de Araújo, presidente da Rede Trans Brasil, entidade nacional que representa pessoas travestis e transexuais do Brasil, ressalta que a maior parte dos assassinatos ocorrem em via pública e no período noturno.

“De todos os casos catalogados em 2018, das mortes, 89 dessas foram em via pública. Todas, em maioria, à noite, em um espaço em que essa pessoa tenta sobreviver e é assassinada, muitas das vezes, de forma brutal, cruel”, relata.

Amanda, moradora de Colombo, região metropolitana de Curitiba, de 24 anos, é homossexual, e faz parte da estatística de pessoas LGBTI que já sofreram com o preconceito por conta de sua orientação sexual.

“Eu fui mandada embora logo depois que a minha esposa foi me encontrar no trabalho e eu a cumprimentei, na frente do meu ambiente de trabalho, com um selinho. Logo depois que eu retornei do meu horário de pausa, eu fui chamada pelo RH para ser mandada embora”, conta.

Já a história de Camila Oliveira, de 48 anos, moradora de Ipatinga, Minas Gerais, envolveu violência física pelo fato de ela ser transexual.

CLUBE MAIS DIGA ONDE TEM, resgate cupons, colete selos, consiga pontos e ganhe recompensas. Baixe o aplicativo!

“Eu estava indo comemorar o meu aniversário com os meus amigos do trabalho onde eu trabalhava e, simplesmente, fui abordada por dois rapazes num bicicleta e eles, por transfobia, começaram a me agredir do nada. Eu tentei correr, eles quebraram meu braço, meu dedo e o meu nariz”, disse.

No debate, que ocorreu na Comissão de Direitos Humanos, o presidente da Aliança LGBTI+, Toni Reis, deu os dados da Pesquisa Nacional sobre o Ambiente Educacional, relacionados às experiências de estudantes LGBTI+. Segundo ele, 36% das pessoas são agredidas fisicamente e 60% se sentem inseguros de ir à escola. Outro dado alarmante é que esse grupo é agredido no Brasil a cada duas horas.

“É neste sentido que nós estamos reivindicando a criminalização da LGBTIfobia e também que as escolas discutam o respeito. Todas as pessoas devem ser respeitadas: mulheres, negros e negras, lésbicas, gays, bissexuais e pessoas trans devem ser respeitadas. É isso que nós queremos: o respeito”, enfatiza.

No evento, o senador Styvenson Valentim assinou a carta da diversidade, que assegura o diálogo entre os parlamentares e as causas LGBTI. Já os convidados disseram esperar que o Supremo Tribunal Federal (STF) enquadre a discriminação por orientação sexual e identidade de gênero como crime. O julgamento iniciado em 13 de fevereiro deve ser retomado no dia 23 de maio. Quatro ministros, até agora, votaram a favor da criminalização da LBTIfobia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *