CLUBE MAIS DIGA ONDE TEM, resgate cupons, colete selos, consiga pontos e ganhe recompensas. Baixe o aplicativo!

Cotidiano

Jornalista diz que ascom de Ribamar faltou com a verdade.

Fui procurado, através do aplicativo whatsapp, pelo vereador Osvaldo Brandão na noite de segunda feira (12/08/2019) para denunciar o não pagamento de prestadores de serviços que trabalharam na função
de apoio e segurança dos festejos de São João promovidos pela Prefeitura Municipal de São José de Ribamar.
Trata-se 150 pessoas, segundo informações do vereador, que prestaram serviços
mediante a promessa de remuneração de R$ 350,00 (trezentos e cinquenta reais)
para cada, mediante contrato, cópia anexa, entre a Prefeitura Municipal de São José
de Ribamar e a empresa Time Segurança Privada, no valor de R$ 56.327,20
(cinquenta e seis mil, trezentos e vinte e sete reais e vinte centavos). Ressalta-se
que o contrato é decorrente de processo licitatório.
Ressalta-se que, além de denunciar o fato, o vereador Osvaldo Brandão declarou
que essas 150 pessoas fariam uma manifestação para protestar contra o não
pagamento dos valores a que fizeram jus, e diante disso, solicitou ao jornalista
ribamarense, André Gomes, Registro Profissional nº 1064/MTE, residente
atualmente em Imperatriz, apoio para divulgar os fatos e divulgar a manifestação.
Diante dos fatos, tenho a esclarecer o seguinte:
1. Ao contrário do que afirma a nota divulgada pela Prefeitura, eu André Gomes,
não sou pseudo jornalista, como afirmou a nota, mas jornalista profissional com
registro no Ministério do Trabalho e Emprego, ao contrário do assessor de
comunicação da Prefeitura, que é engenheiro mecânico e não jornalista, portanto,
ele é que seria o pseudo jornalista.
2. Sou jornalista e não um político. Meu papel é divulgar fatos para que a sociedade
tome conhecimento. Portanto, ao divulgar o fato denunciado pelo vereador Osvaldo
Brandão, não estava fazendo oposição à administração, mas cumprindo meu papel
de jornalista.
3. Eu, André Gomes, sou cidadão de São José de Ribamar, portanto, posso e devo
me preocupar com os destinos de minha cidade, independentemente de estar não
nela residindo. Além disso, o fato de não residir atualmente em Ribamar, não me
impede de fazer jornalismo envolvendo minha cidade. O jornalismo, não tem
fronteiras.
4. Não invento nem inventei notícia verdadeira ou mentirosa. Quando divulguei a
denúncia, limitei-me ao dever de bem informar a sociedade ribamarense, sem
nenhuma intenção política sectária. Claro que como todo e qualquer cidadão de
minha cidade, desejo vê-la crescendo e se desenvolvendo e isto depende da ação
dos políticos, os quais por exercerem cargos públicos, estão sujeitos à crítica.
Quanto a mim, jamais procurei o prefeito ou qualquer autoridade de minha cidade,
para barganhar coisa alguma. Tanto, eu que vivo de minha profissão, jamais pedi
qualquer valor para qualquer político. Sou movido pelo desejo de contribuir com a
sociedade ribamarense e não tirar benefícios pessoais.
5. Se não houve a manifestação que me solicitaram divulgar, não é problema meu
ou de qualquer outro jornalista que acaso a tenha noticiado, mas de seus
organizadores e apoiadores, incluindo o vereador Osvaldo Brandão.
Finalmente, acrescento mais uma vez, que não invento fatos, não sou um canalha
como afirma a nota e nem me falta hombridade. Sou um homem simples que tem
orgulho de sua terra, de sua cidade, infelizmente, quase sempre muito maltratada
por seus gestores, os quais têm a obrigação, de com hombridade, honradez e
competência, cuidar dos seus cidadãos e promover o seu desenvolvimento. Senhor
prefeito, a política não ficou para aproveitadores e desonestos, assim como o
jornalismo não ficou para covardes!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CLUBE MAIS DIGA ONDE TEM, resgate cupons, colete selos, consiga pontos e ganhe recompensas. Baixe o aplicativo!