Cotidiano

O que de fato importa?

“A indiferença é a maneira mais polida de desprezar alguém”. (Mário Quintana)
​Terminada a folia momesca, no calendário dos cristãos católicos, é hora de circunspecção e reflexão. Inicia-se o período da quaresma e, com ele, a campanha da fraternidade que, neste ano, tem como tema “Fraternidade e Vida: dom e compromisso”.

​Sobre a escolha do tema, Dom Joel Portella Amado, secretário-geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), fez referência à proteção da vida – considerada o maior dom – com o incentivo ao cuidado consigo mesmo e com o próximo, seja um familiar, um amigo, um vizinho, um conhecido e, até mesmo, sejam os desconhecidos à nossa volta.
​Independente de credo, trata-se de uma temática atualíssima. Vivemos na era da individualidade e da indiferença. O psicólogo americano John Gottman, especialista em relacionamentos, criou a tese dos “Quatro cavaleiros do apocalipse”, que define os quatro fatores responsáveis pelo desgaste entre as relações: defensividade, indiferença, crítica destrutiva e desprezo.
Mas qual são os antídotos para esses males? Recorro a Tomás de Aquino, filósofo e teólogo católico que se dispôs a estudar os ensinamentos de Aristóteles e, por meio destes, discorrer acerca da justiça e considerar a perspectiva de Deus a partir da razão (leitura que recomendo, a despeito de qualquer fé que alguém venha professar).
​Em sua Suma Teológica, Tomás de Aquino nos leva a pensar acerca da finalidade das coisas que nos rodeiam e da esperança que nos move para a realização do propósito que colocamos como objetivo a ser alcançado. Respeitar o espaço no qual fomos inseridos – com todos os seus componentes – e abrir outro espaço para o ânimo em direção a novas conquistas são maneiras de combater o desprezo e a indiferença que cunham esta era.
​Quer queiramos ou não, estamos todos interligados. A revista Galileu publicou, em 2014, uma reportagem com o interessante título “7 fatos que provam que você e o cosmos estão intimamente conectados”, e enumera as razões em que a ciência se apoia para demonstrar essa afirmação, a partir também das constatações de Carl Sagan que cunhou a célebre frase “somos todos poeiras das estrelas”.
​Somos todos habitantes de um mesmo lugar. E importar-se com nossa morada e com aqueles que nela também habitam é, em última perspectiva, proporcionar um espaço de maior qualidade para o alcance de nossas realizações.
​As guerras, as instabilidades econômicas, as intempéries políticas, as disputas por poder e até as recentes epidemias podem ser debeladas, se enfrentadas por pessoas altruístas e generosas.
​Neste exato momento, cientistas mundo afora se debruçam em pesquisas com o fito de combater o coronavírus. Homens e mulheres de bem intencionam projetos para minorar os males daqueles que sofrem necessidades. Jovens dedicam seu tempo a tornar a vida de comunidades carentes um pouco mais fácil.
​Respeito, tolerância e compaixão são sentimentos que, tornados em prática diária, resultam num lugar melhor para nós mesmos e para os outros.
​Na verdade, sem “fraternidade e vida: dom e compromisso” para que se combatam a indiferença que se apodera destes dias, nada de fato importa, porque só restaria à aparente polidez do desprezo.Por Natalino Salgado Filho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *