Saúde.

Maranhão campeão nacional em amputações de pênis, cerca de mil são retirados por ano no Brasil.

o tema foi levantado está semana pelo presidente Jair Bolsonaro, após receber dados do ministério da saúde.

O presidente afirmou que recentemente recebeu um dado alarmante. “No Brasil, ainda, nós temos por ano mil amputações de pênis por falta de água e sabão. Quando se chega em um ponto desse, a gente vê que nós estamos realmente no fundo do poço”, ressaltou.

Segundo assessores presidenciais, o tema foi tratado recentemente com Bolsonaro pelo ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. O presidente ressaltou que a maior incidência do problema ocorre em estados pobres.

“Nós temos que buscar uma maneira de sair do fundo do poço ajudando essas pessoas, conscientizando-as, mostrando realmente o que eles têm que fazer e evitar que se chegue em esse ponto ridículo, triste para nós, dessa quantidade de amputações que nós temos por ano”, afirmou.

Segundo o coordenador de câncer de pênis e testículo da Sociedade Brasileira de Urologia, José de Ribamar Calixto, a estimativa de mil amputações por ano foi feita com base em dados de internações no SUS nos últimos anos e procedimentos ligados ao câncer de pênis, mas precisaria ser atualizada.

“Eu diria que não é bem isso que o presidente disse. É pior do que isso. Viemos lutando há 20 anos para poder pautar uma política pública voltada a acabar com o câncer de pênis, e assim parar de arrancar o pênis dos outros por câncer”, afirma ele, para quem pode haver subnotificação, por não haver dados de atendimentos na rede privada.

CLUBE MAIS DIGA ONDE TEM, resgate cupons, colete selos, consiga pontos e ganhe recompensas. Baixe o aplicativo!

A má higiene íntima é um dos fatores que levam ao problema. “O que causa o câncer de pênis é, primeiro, a falta de higiene, quando o homem não consegue expor a glande, que é a ‘cabeça’ do pênis, para ser lavada. Somado a isso, uma contaminação pelo vírus HPV, que causa uma lesão agressiva e progressiva”, explica. “É um câncer que se pode prevenir.”

De acordo com Calixto, o maior volume de amputações ocorre no Norte e Nordeste. O Maranhão seria um dos estados com maior número de casos, segundo estudos vinculados à SBU. “E o motivo é a falta de educação sanitária”, diz. “Só em São Luís, temos uma média por mês de oito a dez amputações. É um problema de saúde pública.”

Dados do Inca (Instituto Nacional de Câncer) apontam que o câncer de pênis é um tumor raro, com maior incidência em homens a partir dos 50 anos, embora possa atingir também os mais jovens. No Brasil, esse tipo de tumor representa 2% de todos os tipos de câncer que atingem o homem, informa a entidade.

A situação é agravada por atrasos no diagnóstico de lesões e no tratamento. “Se for tratada no começo, tira só a lesão, e não o pênis todo”, diz Calixto. “Se demorar muito tempo, o tumor do tamanho de uma ervilha em janeiro chega em dezembro do tamanho de uma goiaba.”

Ainda segundo Calixto, outra possibilidade para aumentar a prevenção seria aumentar o acesso a cirurgias no SUS para homens com fimose –que é a dificuldade ou impossibilidade de expor a glande do pênis porque a pele que a recobre tem diâmetro muito estreito, dificultando limpeza adequada.

“É uma cirurgia pouco estimulada no SUS. O homem não tem como fazer uma boa higiene se a glande não é exposta”, diz.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *